Redes sociais e micropolíticas da juventude

AUTOR: Fábio Dal Molin  

TIPO: Tese

DATA DE PUBLICAÇÃO: 2007

INSTITUIÇÃO OU PROJETO RESPONSÁVEL:  UFRGS

DESCRIÇÃO BREVE / RESUMO DO DOCUMENTO:

O bairro Restinga, criado em meados dos anos setenta a partir de loteamentos e políticas de remoção de favelas possui uma territorialidade espacial e social marcada pela diferença e o estigma. O bairro é, freqüentemente, alvo de pesquisas acadêmicas e já foi escolhida como plano piloto para um projeto de segurança pública municipal A ambivalência das políticas de urbanização dividiu a Restinga em duas áreas, a “Velha” e a “Nova”. A necessidade de mobilização por melhorias nas condições de vida no bairro ativou o trabalho redes sociais que gerenciam e executam o que será chamado aqui de micropolíticas para a juventude. Estas redes são constituídas por cidadãos que trabalham com hip-hop, mídias alternativas, promotoras legais populares, antigos líderes comunitários e professores e professoras de escolas municipais. São consideradas aqui micropolíticas atividades alternativas e realizadas em espaços intermediários ou em colaboração às políticas estatais como metodologia para atingir a população jovem.

CONTATO: lume@ufrgs.br

PALAVRAS CHAVE: Juventude, Políticas públicas, Redes sociais.

ARQUIVO DE ACESSO  GRATUITO;                                                   

  (x) SIM ( ) NÃO

FONTE:http://hdl.handle.net/10183/11395                                           

AUTORIZAÇÃO DE IMAGENS E DE USO;

(x)Acesso Gratuito/ Internet    ( ) Doc. Impresso  ( ) Doc. Online

CESSÃO DE DIREITOS DE USO;

(x) Acesso Gratuito/ internet ( ) Doc. Impresso ( ) Doc. Online

REGISTRO DE DOAÇÃO DE ENTREVISTA;

(x) Acesso Gratuito/ internet  ( ) Doc. Impresso ( ) Doc. Online

DATA DE AQUISIÇÃO PELO OBSERVATÓRIO: 16/09/2019

Vozes da memória: O contador de histórias em narrativas orais urbanas

Vozes da memória: O contador de histórias em narrativas orais urbanas

AUTOR: Alessandra Bittencourt Flach

TIPO: Tese

DATA DE PUBLICAÇÃO: 2013

INSTITUIÇÃO OU PROJETO RESPONSÁVEL:  UFRGS

DESCRIÇÃO BREVE / RESUMO DO DOCUMENTO:

Contar histórias é uma prática que atravessa os tempos e faz parte da natureza humana. Portanto, a área de Letras deve fazer desse tema objeto de estudo, com enfoque especial nas narrativas orais. Esta tese se propõe a discutir o papel do contador de histórias na pós-modernidade. Para tanto, serão analisados registros audiovisuais de um morador do bairro Restinga, em Porto Alegre (RS), com o intuito de demonstrar que ainda há espaço para ouvir e contar histórias, desde que isso seja pensado a partir de uma série de elementos das sociedades complexas contemporâneas, em detrimento das práticas de contar histórias que emergiam em culturas orais. Acredita-se que as narrativas que surgem em um ambiente de conversa também são constituídas de poeticidade, o que pode ser percebido mediante a análise da performance, ou seja, do evento comunicativo que envolve não só o texto, mas a linguagem, o corpo, os gestos, a voz, os interlocutores.

CONTATO: lume@ufrgs.br

PALAVRAS CHAVE: Contador de histórias, Historia urbana, Literatura, História, Memória coletiva, Memória individual.

ARQUIVO DE ACESSO  GRATUITO;                                                     

(x) SIM   ( ) NÃO

FONTE:http://hdl.handle.net/10183/88415                                        

AUTORIZAÇÃO DE IMAGENS E DE USO;

(x)Acesso Gratuito/ Internet    ( ) Doc. Impresso  ( ) Doc. Online

CESSÃO DE DIREITOS DE USO;

(x) Acesso Gratuito/ internet ( ) Doc. Impresso ( ) Doc. Online

REGISTRO DE DOAÇÃO DE ENTREVISTA;

(x) Acesso Gratuito/ internet  ( ) Doc. Impresso ( ) Doc. Online

DATA DE AQUISIÇÃO PELO OBSERVATÓRIO: 2019

OBSERVATÓRIO DA COMUNIDADE!

O Observatório da Comunidade é uma iniciativa do Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Restinga que tem como objetivo reunir a informação existente sobre o bairro Restinga, sistematizando e socializando-a com toda a comunidade de forma qualificada e acessível, a fim de ampliar o conhecimento de todos sobre a realidade local, fortalecendo a cidadania e a democracia.

Além disso, tem como objetivos específicos:

  • Promover a reflexão permanente sobre a realidade local.
  • Criar um espaço de diálogo entre a comunidade acadêmica e o entorno onde a escola se insere.
  • Contribuir para o empoderamento da população local a partir do amplo conhecimento dos diferentes aspectos que compõem a realidade do bairro.
  • Incentivar a produção de novos estudos.
  • Subsidiar os profissionais de diferentes áreas de atuação que exercem suas atividades no bairro.
  • Produzir materiais informativos temáticos.

Para a constituição do Observatório da Comunidade foram realizadas rodas de conversa entre a comunidade acadêmica e a comunidade local.

O Observatório da Comunidade é um instrumento do Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Restinga para o diálogo permanente entre a escola e a comunidade (interna e externa), de modo presencial e virtual, além de abarcar projetos e programas acadêmicos que, na perspectiva da pesquisa-ação, envolvam a comunidade do bairro Restinga, onde o campus se localiza.

O Observatório também servirá de apoio didático-pedagógico, devido à disponibilidade de materiais para professores e pesquisadores de todos os níveis de ensino, bem como a sociedade civil como um todo, com produções desenvolvidas com linguagem de fácil compreensão.